Site da USP
Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção Universidade de São Paulo

Linhas e Projetos de Pesquisa

O Programa de Pós graduação em Engenharia de Produção da Escola Politécnica da USP, embora formalmente apresente apenas uma área de concentração, está estruturado em cinco áreas de pesquisa:

Economia da Produção e Engenharia Financeira (EPEF)

Voltada à pesquisa e desenvolvimento de projetos em questões ligadas à economia da produção, desenvolvimento tecnológico e engenharia financeira, esta área trata de um amplo conjunto de temas relacionados à economia de sistemas e processos de produção, inovação, redes de cooperação, gestão econômico-financeira de empresas e modelagem matemática em finanças.

O grupo de pesquisa está estruturado em duas grandes linhas de atuação:

Economia da Produção

Tem como foco problemas de âmbito global, relativos a modelos de negócios e competitividade; organização industrial e desenvolvimento tecnológico; análise de cadeias produtivas; modelagem econômica de processos; análise de sistemas locais de produção e clusters regionais; análises setoriais e prospecções técnico-econômicas de setores emergentes.
Alguns temas de pesquisa da área são apresentados no que segue:

  • Economia e gestão da inovação e da tecnologia;
  • Integração entre economia e logística;
  • Interação universidade-empresa;
  • Indústrias criativas: o setor de produção musical;
  • Fluxos de informação e conhecimento inter-organizacionais;
  • Geografia da inovação e APLs;
  • Redes de cooperação produtiva e aglomerações industriais (clusters);
  • Análise de cadeias produtivas dinâmicas;
  • Sustentabilidade na cadeia produtiva.

Engenharia Financeira

Os problemas tratados nesta linha de pesquisa direcionam-se para solucionar questões ligadas a modelagem quantitativa, análise econômico-financeira, pricing, sistemas de gestão de custos e integração de modelos econômicos financeiros com sistemas de informação gerencial. Alguns temas de pesquisa da área são apresentados no que segue:

  • Gestão econômico-financeira de organizações produtivas em diferentes âmbitos, tais como empresas, cooperativas, fábricas recuperadas, entre outras;
  • Tomada de decisão econômico-financeira relativa à localização, capacidade industrial, mix de produtos, custos e preços de produtos e serviços, e análise de investimentos;
  • Modelos de formação de preços e de custeio;
  • Gestão financeira do agronegócio: modelos estatísticos e de otimização;
  • Apreçamento e risco em mercados de energia;
  • Métodos de otimização aplicados a finanças: portfólios, opções reais, gestão de risco.

Gestão de Operações e Logística (GOL)

Esta área trata do planejamento e gestão de operações e recursos de produção no contexto das indústrias de manufatura, sistemas logísticos e sistemas de serviço. Contempla temas emergentes relacionados ao Planejamento, Programação e Controle da Produção (PCP), Gestão de Estoques, Planejamento da Capacidade, Localização, Estratégia de Operações, Produtividade em Sistemas de Operação, Logística e Cadeia de Suprimentos.

Atualmente o grupo de Gestão de Operações e Logística mantém projetos de doutorado e de mestrado envolvendo alunos da pós-graduação bem como projetos de iniciação científica envolvendo alunos da graduação, desdobrados a partir de três linhas de pesquisa centrais:

  • Planejamento, Programação e Controle da Produção e Estoques
  • Logística e Cadeia de Suprimentos
  • Produtividade em Sistemas de Operações e Logística

Uma característica dos projetos relacionados às duas primeiras linhas de pesquisa é o uso intensivo de modelagem matemática e de simulação para resolução de problemas de otimização em planejamento e programação das operações, dimensionamento de estoques e planejamento de infra-estrutura logística. Já os projetos relacionados à terceira linha caracterizam-se pela investigação de questões chaves que emergem em processos de intervenção que visam à implementação de processos gerenciais e sistemas de operação que promovam a busca da excelência operacional em dimensões como custo, flexibilidade, confiabilidade e agilidade.

São enumerados abaixo, alguns temas e questões de pesquisa que o grupo está atualmente priorizando para a proposição de novos projetos de pesquisa alinhados a suas linhas de pesquisa centrais:

Planejamento, Programação e Controle da Produção e Estoques

  • Métodos de otimização aplicados a problemas de produção, em especial problemas relacionados com planejamento, programação e controle da produção;
  • Métodos heurísticos e exatos para problemas de programação de atividades (scheduling);
  • Implantação de sistemas de programação detalhada (APS – Advanced Planning and Scheduling) em sistemas de produção originalmente baseados no modelo MRPII;
  • Sistematização do uso da simulação computacional (eventos discretos, por agentes etc) no apoio ao planejamento da capacidade e da produção industrial;
  • As novas tendências dos sistemas de gestão empresarial (ERP – Enterprise Resources Planning) e os impactos destes no planejamento e controle da produção, incluindo o estudo da alternativa de ERP software livre (open source ERP);
  • Resolução de Problemas de Corte e Empacotamento através de métodos de otimização;

Logística e Cadeia de Suprimentos

  • Otimização de redes logísticas considerando efeitos de frete de retorno, impostos e nível de serviço, além de custos logísticos tradicionais;
  • Projeto de malha logística (localização de fábricas e centros de distribuição; formação de rotas de carga);
  • Uso de modelos de Dinâmica de Sistemas (Forrester) em problemas de logística e cadeias de suprimentos;
  • Métodos de estruturação de problemas (Pesquisa Operacional Soft) aplicados a problemas de colaboração em cadeias de suprimentos;

Produtividade em Sistemas de Operações e Logística

  • Busca da excelência operacional além do chão-de-fábrica em ambientes como: desenvolvimento de produtos e processos, operações de serviço (especialmente, em processos de prestação de serviços classificados como serviços de massa e lojas de serviço), processos administrativos ou transacionais;
  • Melhoria dos processos de criação e entrega de valor pela efetiva aplicação de metodologias como Lean e Lean Seis Sigma no projeto e operação de processos que atendam aos princípios de Manufatura Enxuta, Lean Service e Lean Office;
  • Promoção da simbiose entre o sistema de gestão ambiental e as abordagens que constituem o padrão world class manufacturing (lean production, total productive maintenance, teoria das restrições, etc.) e desenvolvimento de sistemas de logística reversa na busca da produção sustentável;
  • Métricas de desempenho: projeto de sistemas de medição e avaliação de desempenho em processos produtivos de manufatura, suprimentos e serviços;
  • Projeto de sistemas de operação com elevada eficiência, flexibilidade e agilidade (rapid response) que suportem as estratégias de customização (personalização) em massa e build-to-order (BTO).

Gestão da Tecnologia da Informação (GTI)

O enfoque principal deste grupo é o estudo da gestão da Tecnologia da Informação (TI), envolvendo aspectos de planejamento e implementação. Engloba a análise e avaliação dos impactos da estratégia e das aplicações de TI em relação à estratégia de negócios e a operações das empresas e na forma pela qual a TI deve ser planejada visando ganhos na eficácia e na eficiência. Estas análises incluem os modelos de Governança de TI. Também foca modelos de gestão do processo de desenvolvimento de software e a avaliação de aplicações de TI com uma ênfase nos aspectos eficiência e qualidade. Estudam-se ainda técnicas avançadas e métodos que permitam analisar e modelar aplicações complexas de TI voltadas para Sistemas de Apoio à Decisão.
Os temas do GTI estão agrupados em três linhas de pesquisa, que de desdobram em projetos que envolvem alunos tanto de pós-graduação (mestrado e doutorado) como de graduação (iniciação científica e trabalhos de conclusão de curso). Estas linhas de pesquisa atualmente são:

Estratégia e Planejamento da Tecnologia da Informação

Os projetos da primeira linha enfocam os impactos da estratégia e das aplicações de TI em relação à estratégia e às atividades das empresas. Estuda-se como a TI deve ser planejada para obtenção de maior eficácia, em uma abordagem ampla e integrada ao negócio da empresa, e focando a TI como ferramenta estratégica e de competitividade. Nesta mesma abordagem estratégica, estudam-se a governança da TI, a gestão do conhecimento e a crescente virtualização das atividades nos contextos intra e inter-empresas, viabilizada por aplicações de TI cada vez mais poderosas, inovadoras, convergentes e interligadas (na chamada convergência digital).

O enfoque principal deste grupo é o estudo da gestão da Tecnologia da Informação (TI), envolvendo aspectos de planejamento e implementação. Engloba a análise e avaliação dos impactos da estratégia e das aplicações de TI em relação à estratégia de negócios e a operações das empresas e na forma pela qual a TI deve ser planejada visando ganhos na eficácia e na eficiência. Estas análises incluem os modelos de Governança de TI. Também foca modelos de gestão do processo de desenvolvimento de software e a avaliação de aplicações de TI com uma ênfase nos aspectos eficiência e qualidade. Estudam-se ainda técnicas avançadas e métodos que permitam analisar e modelar aplicações complexas de TI voltadas para Sistemas de Apoio à Decisão.
Os temas do GTI estão agrupados em três linhas de pesquisa, que de desdobram em projetos que envolvem alunos tanto de pós-graduação (mestrado e doutorado) como de graduação (iniciação científica e trabalhos de conclusão de curso). Estas linhas de pesquisa atualmente são:

Estratégia e Planejamento da Tecnologia da Informação

Os projetos da primeira linha enfocam os impactos da estratégia e das aplicações de TI em relação à estratégia e às atividades das empresas. Estuda-se como a TI deve ser planejada para obtenção de maior eficácia, em uma abordagem ampla e integrada ao negócio da empresa, e focando a TI como ferramenta estratégica e de competitividade. Nesta mesma abordagem estratégica, estudam-se a governança da TI, a gestão do conhecimento e a crescente virtualização das atividades nos contextos intra e inter-empresas, viabilizada por aplicações de TI cada vez mais poderosas, inovadoras, convergentes e interligadas (na chamada convergência digital).

Alguns temas e questões de pesquisa prioritárias:

  • Modelos de governança, sua adoção e implementação, bem como seu impacto no planejamento e a operação das áreas de TI das empresas;
  • O impacto da crescente virtualização de atividades na estratégia e no planejamento do uso eficaz de aplicações de TI e da convergência digital;
  • Análise e a avaliação dos sistemas ERP (Enterprise Resource Planning), de SCM (Supply Chain Management), CRM (Consumer Management Relationship) e de Inteligência Competitiva (Business Intelligence);
  • A integração da gestão do conhecimento e das aplicações de TI com a estratégia de negócios e de operações das empresas;
  • O papel da TI como agente e como vetor para o desenvolvimento tecnológico e para a inovação.

Implementação de Sistemas de Tecnologia da Informação

Na segunda linha incluem-se projetos voltados para a avaliação de aplicações de TI com ênfase na sua eficiência e qualidade. Estudam-se metodologias e técnicas para um processo eficiente e planejado de desenvolvimento de sistemas de informação e de software e métodos para implementar aplicações de TI para a virtualização de atividades e do próprio processo de desenvolvimento de software. Envolvem técnicas de programação, de definição de requisitos de software, e modelos de referência para o processo de desenvolvimento de software (no contexto organizacional) e para a gestão dos projetos de novos sistemas de informação.

Alguns temas e questões de pesquisa prioritárias:

  • Gerenciamento e definição de processos de software com equipes distribuídas no tempo e no espaço;
  • Gestão dos conhecimentos e habilidades dos profissionais envolvidos em um ambiente de fábrica de software, apesar da rotatividade deste mercado de trabalho;
  • Implementação de sistemas de workflow sem a necessidade de grande esforço de programação;
  • Manutenção de sistemas em operação que possam acompanhar com facilidade as rápidas mudanças de negócio;
  • Modelagem de negócios e de processos.

Sistemas de Apoio à Decisão

A terceira linha trata de projetos que estudam a questão das decisões nas organizações através de diversos modelos matemáticos e heurísticos podem ser utilizados nestes processos e as ferramentas computacionais cada vez mais disseminadas que tornam tais modelos mais acessíveis e mais facilmente implementáveis. O dinamismo do ambiente competitivo exige cada vez mais agilidade no tomada e decisões, ao mesmo tempo em que envolve um crescente número de agentes, fatores e informações a serem consideradas. O volume de dados a ser processado e a incerteza que os envolvem implicam em modelos cada vez mais complexos.

Alguns temas e questões de pesquisa prioritárias:

  • Modelagem rápida e adequada de sistemas de apoio à decisão em diversos contextos da atividade empresarial;
  • Sistemas de apoio à decisão mais acessíveis e amigáveis aos usuários;
  • Aplicações complexas de TI, como Sistemas Especialistas, Conjuntos Difusos, Redes Heurísticas e Otimização multi-objetivos e multi-critérios;
  • Modelos para o processo decisório mais sistemático em ambientes de grande incerteza.

Qualidade e Engenharia do Produto (QEP)

O objetivo do grupo Qualidade e Engenharia de Produto (QEP) na Pós Graduação é a proposição e condução de projetos de pesquisa no nível de doutorado, mestrado e de iniciação científica envolvendo alunos da pós-graduação e da graduação a partir de três linhas de pesquisa centrais:

Engenharia da Qualidade

Nesta linha estão concentrados os métodos estatísticos aplicados ao controle da qualidade, confiabilidade e projeto do produto. Uma característica dos projetos relacionados à primeira linha de pesquisa é a utilização intensiva de métodos estatísticos na resolução de problemas aplicados ao controle da qualidade, à confiabilidade e ao projeto do produto.

Projeto e Produto

Investigam-se nesta linha os aspectos estratégicos, os métodos e as práticas de gestão de projeto/empreendimentos e de desenvolvimento de novos produtos e serviços. Os projetos relacionados à segunda linha caracterizam-se pela investigação de questões-chave que emergem em desenvolvimento de novos produtos, processos e serviços, métodos e técnicas de gestão de projetos, e aspectos estratégicos de organizações orientados a projetos e à inovação.

Sistemas de Gestão da Qualidade

Consideram-se nesta linha os sistemas normatizados (por exemplo, conforme a ISO) e da Qualidade como a Gestão da Qualidade Total (TQM), Gerenciamento por Processos, Seis Sigma, entre outros. A terceira linha abrange a Gestão da Qualidade tanto no que concerne às atividades de melhoria de processos e implantação de sistemas normatizados (por exemplo: ambiental, responsabilidade social e hospitalar), bem como pela adoção de modelos organizacionais como a Gestão da Qualidade Total e programas Seis Sigma.

Temas e questões de pesquisa que o QEP propõe para novos projetos:

Engenharia da Qualidade

  • Confiabilidade metrológica aplicada em laboratórios e processos de medição;
  • Controle de processo on-line (Taguchi) por atributos e variáveis;
  • Erros de classificação;
  • Ferramentas estatísticas para medir satisfação e identificar necessidades de clientes;
  • Gráficos de controle (multivariado, autocorrelacionado, multi-canal, etc);
  • Índices de capacidade;
  • Métodos para determinar prazo de prateleira (shelf-life);
  • Modelos de estatísticos para dados de confiabilidade, manutenção;
  • Validação estatística de processo.

Projeto e Produto

  • Desenvolvimentos de novos serviços e “servitization”;
  • Ferramentas e técnicas de gestão de projetos;
  • Gestão de portfólio de projetos e análise de stakeholders;
  • Implementação de escritórios de gestão de projetos e gestão do conhecimento em projetos;
  • Implementação do Desdobramento da função Qualidade (QFD);
  • Implicações do projeto modular nos sistemas de produção e organizacionais;
  • Inovação com participação de clientes;
  • Modelos de maturidade e competência em gestão de projetos.
  • Projeto para Seis Sigma (DFSS) e projeto para a sustentabilidade;
  • Técnica de desenvolvimento de produtos voltados para inovação;
  • Teoria de solução de problemas inventivos (TRIZ).

Sistemas da Qualidade

  • Dinâmica de Sistemas aplicada ao Seis Sigma e à sustentabilidade;
  • Gerenciamento por Processos;
  • Gestão ambiental e sustentabilidade;
  • Lean Seis Sigma.
  • Seis Sigma aplicado no setor de serviços e saúde.

Trabalho, Tecnologia e Organização (TTO)

O grupo de pesquisa foi formado no início da década de 1980. Desde então, ocupa posição de liderança no cenário nacional e tem renome internacional. As três áreas de conhecimento que a constituem, Organização do Trabalho, Gestão da Inovação e da Tecnologia, e Ergonomia, permitem desenvolver abordagens interdisciplinares relativas ao projeto, desenvolvimento e aperfeiçoamento de sistemas de organização assim como métodos de gestão nos mais diferentes tipos de organizações (indústria, produção e escritórios; serviços; terceiro setor; setor público).

A base conceitual em organização possibilitou ao TTO evoluir para temas contemporâneos, que abarcam questões de pesquisa altamente relevantes, que se aglutinam nas seguintes linhas e projetos de pesquisa:

1. ESTRATÉGIAS INTEGRADAS PARA A INDÚSTRIA DA MOBILIDADE (Roberto Marx)

Inovação e Organização no Setor Público: O caso da Mobilidade Urbana

Inovação e Organização: O Envolvimento das Montadoras com Projetos voltados à Mobilidade Urbana

Integração Modal como Desafio para a Mobilidade Urbana: Iniciativas Públicas e Privadas em uma Comparação Internacional

Organização da Empresa e do Trabalho para a Inovação de Produtos e Processos

2. GLOBALIZAÇÃO, ESTRATÉGIAS E ORGANIZAÇÃO (Afonso Fleury)

Internacionalização das Empresas e da Produção

Gestão na Indústria Criativa

Política Tecnológica e Industrial

3. GESTÃO DA INOVAÇÃO E GESTÃO DA INOVAÇÃO RADICAL (Mario Sergio Salerno)

Gestão da Inovação: modelos de organização e gestão da cadeia expandida de inovação da empresa

Valoração e gestão de portfólio de projetos de inovação envoltos em grandes incertezas

Gestão de incertezas em projetos e empreendimentos de inovação

NAGI – Núcleo de Apoio à Gestão da Inovação – rede Poli-USP e parceiros

PEIEX – Programa de Extensão industrial Exportadora

4. ERGONOMIA DE SISTEMAS COMPLEXOS (Laerte Idal Sznelwar)

Constituição de equipes de trabalho e confiabilidade em serviços de saúde

Trabalho e complexidade em atividades de design, gestão e de operações.

5. POLÍTICA E GESTÃO DA TECNOLOGIA E DA ENGENHARIA, EMPREENDEDORISMO INOVADOR E AMBIENTES DE INOVAÇÃO (Guilherme Ary Plonski) – p.7